Implementação de um Processo de Software

Mudança ou Implementação de um Processo de desenvolvimento em uma fábrica de software pode

ser uma tarefa difícil de se realizar e, muitas vezes leva-se tempo para ver seus

resultados. Segundo Balduino [Balduino 2002], é diferente de se adotar uma nova

ferramenta de desenvolvimento, já que basta instalá-la, ler o manual do usuário, seguir

as instruções de um tutorial e talvez fazer um curso sobre ela. Pode-se levar algumas

horas ou dias para fazer isso. Porém, mudar o processo de desenvolvimento de software

de uma empresa afeta a maneira como os indivíduos trabalham, como eles vêem, e dão

valor ao resultado de seu esforço.

Portanto, essa mudança não acontece da noite para o dia, por isso ela deve ser

cuidadosamente planejada e gerenciada. Uma abordagem de adoção gradual do processo

de desenvolvimento e ferramentas de apoio, onde cada passo seja planejado, executado

e avaliado com critério, dá a sensação de se está se fazendo a implementação da maneira

mais adequada.

Falando sob o aspecto da engenharia de processo, implementar um novo

processo em uma empresa de desenvolvimento de software é um projeto por si só e que,

por sua vez, pode ser descrito em quatro passos distintos, conforme a Figura 2.

Passos para implementar processo em uma empresa [Balduino 2002]

  • · Avaliar a empresa de desenvolvimento: o intuito é coletar informações das

pessoas-chave internas ou externas à empresa para obter uma lista abrangente

dos problemas atualmente encontrados, entender como essas pessoas vêem os

problemas e os priorizam;

  • · Planejar a implementação: nesta fase passamos a planejar a forma como ela

vai se mover do seu estado atual para onde se quer chegar. Para isto faz-se

necessário uma análise dos objetivos a serem alcançados; identificar, analisar

e priorizar os riscos inerentes à implantação do processo; usar um projeto

piloto para avaliação inicial; estabelecer um plano de treinamento; alocar

mentores como disseminadores do conhecimento;

  • · Executar a implementação: esta fase significa executar os projetos de

software escolhidos para dotar o processo e as ferramentas. Do ponto de vista

organizacional, isso significa: monitorar os projetos de desenvolvimento de

software; gerenciar a adoção de processo nos projetos; monitorar a criação e

uso de um ambiente de desenvolvimento organizacional;

  • · Avaliar o esforço da implementação: após o processo ter sido

implementado no projeto piloto ou nos demais projetos, precisa-se validar os

resultados contra o plano proposto no passo “Planejar a implementação”.

Em uma organização, diferentes processos podem coexistir, adequados a

diferentes projetos. Para organizar e disciplinar o desenvolvimento de software é

importante determinar as atividades fundamentais que deverão estar presentes em

qualquer processo definido. A definição de um processo padrão estabelece uma

estrutura comum a ser utilizada pela organização nos seus projetos de software e

constitui a base para a definição de todos os processos [Rocha 2001]. Dessa forma,

estabelece-se um processo básico que servirá como ponto de partida para a posterior

definição dos processos de software adequados às diferentes características de cada

projeto, permitindo economia de tempo e esforço na definição de novos processos.

A definição do processo padrão pode ser realizada tendo como base alguma

norma de qualidade de processo de software e as características do desenvolvimento de

software na organização. A definição poderá considerar um dos modelos de maturidade

atualmente utilizados.

Tendo em vista que tipos de software diferentes possuem características distintas

e requerem diferentes abordagens de desenvolvimento, o processo de software padrão

da organização deverá ser adaptado (especializado) considerando-se as características

relacionadas ao tipo de software (por exemplo, sistemas de informação) e ao paradigma

de desenvolvimento utilizado (por exemplo, orientação a objetos).

A instanciação para projetos específicos consiste na adaptação de um processo

especializado a um projeto, considerando-se as suas peculiaridades. Nesta etapa, são

definidos o modelo de ciclo de vida, os métodos e as ferramentas que serão utilizadas no

projeto, os recursos humanos e seus responsabilidades ao longo do processo e os

artefatos (produtos) consumidos e gerados.

Fonte de Pesquisa:

VI Simpósio Internacional de

Melhoria de Processos de Software

São Paulo, SP – Brasil 24-26/11/2004

 

Sobre a DANRESA – Com mais de 14 anos de experiência no mercado de TI, a DANRESA é uma Consultoria de Informática com atuação em todo o território nacional, focada em duas linhas de serviços principais e complementares: Fábrica de SoftwareDesenvolvimento de Sistemas, Infraestrutura e Outsourcing de TI. A área de Desenvolvimento é voltada a Projetos de Negócios por meio de Sistemas Personalizados de TI de acordo com a especificidade de cada cliente, realizando levantamento dos processos, análise e programação através de sua fábrica de software ou com profissionais alocados no cliente. Já a área de Infraestrutura inclui serviços como Outsourcing de TI, Gerenciamento e Monitoramento de equipamentos de missão crítica como Servidores, Roteadores, Switches e Links de conectividade, Instalação e Manutenção de pontos de rede, voz e dados, Suporte Técnico por meio de Service Desk – em que os atendimentos são feitos por uma equipe especializada e certificada nas práticas do ITIL – entre outros. Com cerca de 400 colaboradores e 100 clientes, a DANRESA possui em sua carteira empresas como ANFAVEA, BASF (Suvinil), Ernst Young, Sem Parar, Schneider, CBC, Eurobras, Avape, Alves Feitosa Advogados, Instituto Airton Senna, Grupo Kaduna, CVC, WoodBrook, Salles Leite (Iguaçu Energia ), etc. Para mais informações, ligue: (11) 4452-6450